terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Aos desavisados




Ando cansado de tanta hipocrisia... de meios amores, meias amizades, meias verdades.Cansado de dias enfadonhos e olhares melancólicos, gente apática me entedia!
Não estou bem, nunca estive, nem pretendo. Esse incômodo sentimento de instabilidade é que me faz ser justamente quem eu sou!
Incompleto, deslocado, sufocado!
Catador de estrelas, amante das palavras, ruminador de versos. O que nos move? O que te move? O que removes do teu caminho?
Mergulhado na poeira de sentimentos antigos, respiro com certa dificuldade ares de lembranças bucólicas que já não fazem parte da minha realidade.Como um móvel antigo, um objeto de decoração velho que destoa do resto da mobília. É preciso saber a hora de desapegar.
Não quero ouvir velhas desculpas esfarrapadas, nem histórias de enredo pobre, atores de segunda que não me faz rir, nem chorar tão pouco me emociona. Meu tempo tornou-se precioso para desperdiçar com futilidades.Refaço o mesmo caminho de volta, mas a bagagem é outra. As cores do dia estão mais vivas.
Aos desavisados, aviso que
eu estou voltando e não quero nada além da essência.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

A beleza da poesia

Queria poder me liquefazer em palavras,  escorregar pelo papel e me fazer poesia.
Um poema ainda que triste é belo, mas um homem triste é apenas isso!