domingo, 28 de agosto de 2011

Inusitado pensar



Começo a acreditar que é do inusitado que vem as melhores recordações de nossas vidas. Percebo que nessa noite calma e chuvosa, tenho dentro de mim alguns sentimentos turvos, como que inacabados. 
Não quis escrever quando completei mais um ano de vida, recolhi-me em meu íntimo, era um momento particular, tirei o dia pra repensar na vida, nos fatos corriqueiros de meu dia-dia, e me perguntar se valeu a pena todo o tempo que vivi.
Perceber que nossa caminhada é inconstante e que a qualquer momento podemos partir, não faz com que passemos a realizar coisas extraordinárias, mas sim a fazer de tarefas simples algo prazeroso.
Transformar o que parecia enfadonho em algo realmente importante pra se fazer! É no transcorrer de meus dias que percebo como somos abençoados por sermos seres que amam, e que permitem-se amar.
 Nada supera a capacidade de criarmos vínculos, por certo somos seres frágeis e um tanto limitados, por vezes sofremos e fazemos outros sofrerem, mas mesmo na dor é possível perceber o quanto somos felizes por termos dentro de nós tais sentimentos.
Sou um incorrigível Dom Quixote quanto ao ser humano, mesmo contra todas as estatísticas, apesar de toda a descrença nessa raça ainda afirmo que nada mais tão simples e aos mesmo tempo tão complexo quanto a natureza humana. É dela que provem todo mal, mas também é dela que conhece-se todo o bem. Negligenciar tal realidade e fechar os olhos para uma verdade que está escrachada em nosso rosto.
Eu acredito nas pessoas, mesmo que por vezes posso estar enganado, é um risco que se corre. Ser utópico não significa ser ingênuo. 
Num mundo onde o ter prevalece o ser, é possível perceber que deturparam o significado das palavras, e nos querem passivos cordeiros que nada questionam apenas obedecem fazendo-se parte de um único e obediente rebanho.
A utopia pode ser bem mais do que o sonhar de um mundo melhor, ela pode ser um gesto concreto na construção de um mundo mais justo e mais humano!

sábado, 20 de agosto de 2011

Das Memórias



O café fumega na xícara, olho as fotos bem emolduradas a minha frente e sem perceber retrocedo no tempo e relembro saudoso daqueles anos de infância.
 Recordo com certa nostalgia do primeiro dia de aula, do meu mano, tão próximo de mim, de tantas pequenas aventuras travessas.
 Confabulo com as paredes do meu quarto, o bichano retinto que me faz companhia, dorme preguiçosamente em minha cama!Essa característica peculiar dos gatos foi crucial na hora de escolher entre ele e um cão. gatos não se apegam aos seus donos, a verdade é que eles nem tem donos, são livres, mas voltemos a minha infância, pois é dela que me vem todas as boas memórias. 
É engraçado perceber como com o passar dos anos conseguimos expressar com mais clareza sentimentos que ficaram escondidos ou mesmo não denominados por que faltava-nos a capacidade de entendermos o que sentíamos.
 Crianças tem a mente tão aberta e tão livre que conseguem enxergar além do que nossos olhos por vezes já cansados, e acostumados com a rotina do dia não conseguem ver.
 Por isso quando sinto que a vida começa a ter tons cinzas, e os dias tornam insossos, brinco de recordar, transgrido o tempo e resgato a criança que trago em meu interior,.
Em dias atrozes em que tudo é efêmero torna-se crucial não esquecermos de onde viemos e de quem somos!

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Dias felino




Existem dias que sentimos uma preguiça felina, um ronronar interno, vontade de fazer absolutamente nada.
Nesses intrépidos pensamentos me perco num embalo descompassado, mas estranhamente aconchegante. 
Gosto de pensar que nesses momentos de pura nostalgia minha alma se enrosca, se encolhe numa posição fetal, e descansa, de todos os fardos que carrega...